Quinta, 04 Outubro 2018 00:00

PM nega veracidade em tentativas de sequestro

Avalie este item
(1 Voto)
PM nega veracidade em tentativas de sequestro Ilustração da Internet

Nos últimos dias, mensagens em áudio vêm sendo disseminadas nas redes sociais informando que duas mulheres, em um suposto carro branco, estariam tentando raptar crianças em Além Paraíba, o que vem apavorando pais em toda a cidade e região.
Em decorrência desse estado de pânico, a Prefeitura Municipal de Além Paraíba informou que irá colocar guardas municipais para realizarem ronda nas proximidades dos colégios.
As escolas estão orientando os pais para conversarem com seus filhos, alertando-os, e, sempre que possível, levando-os à porta dos educandários.
Toda essa preocupação teve início na tarde do dia 27 de setembro, quando uma notícia compartilhada através de áudios nas redes sociais, alarmou a população de Além Paraíba. Tal notícia dava conta de que um menino de 12 anos sofreu uma tentativa de sequestro nas proximidades da loja Valore, concessionária Fiat, na Rua Dr. Sobral Pinto (na Vila Laroca). O garoto, em pânico, correu e se abrigou na loja Motobella, revendedora de motocicletas nas proximidades do prédio da Terceira Idade. O Conselho Tutelar foi acionado e ouviu do menino o relato de que havia sido abordado por duas mulheres que estavam no interior de um veículo Volkswagem UP, de cor branca. Uma das mulheres teria tentado segurar o braço do garoto, o que o deixou apavorado.
O Conselho Tutelar confirmou a informação e, seguindo o protocolo, procurou a polícia para registrar o fato.
Na mesma tarde, outra informação de que uma menina também havia sido abordada por duas mulheres em um carro branco circulou nos áudios compartilhados através das redes sociais. A ocorrência teria sido no bairro Jardim Paraíso.
Na noite do mesmo dia— segundo informou o blog de Adenílson Mendes— um fato semelhante aconteceu no Morro São Sebastião, onde duas mulheres em um veículo teriam abordado uma criança do sexo masculino oferecendo-lhe chocolates. “Como a criança não aceitou, teria ouvido uma das mulheres dizer: atira nele então”— relatou o blog de notícias policiais da cidade. O segundo e o terceiro ocorrido não foram registrados na polícia.
Um outro caso de possível tentativa de rapto de menor voltou a acontecer por volta de 11h30min da manhã do último dia 1 de outubro, segunda-feira. O fato foi confirmado em um grupo de whatsapp pela mãe do garoto de apenas 12 anos. O menino havia acabado de sair da Escola Municipal La-Fayette Côrtes, quando foi abordado por duas mulheres em um carro de cor clara, na Rua São Geraldo. O garoto ficou apavorado e chegou em casa também em pânico, abalado, relatando a história para a mãe.
Todos esses casos foram exaustivamente compartilhados nas redes sociais e deixaram apavorados os pais alemparaibanos.
Diante de todo o alarde gerado pela disseminação das mensagens nas redes sociais, o comandante da Polícia Militar de Além Paraíba, Capitão Amarildo de Sá Ferreira, gravou um áudio, divulgado na tarde do dia 2 de outubro, tranquilizando a população, dizendo que a polícia prossegue investigando, analisando caso a caso e que não se pode falar em sequestro ou rapto porque em nenhum dos relatos as ações foram concretizadas. O capitão também revelou que já se reuniu com o delegado de polícia, com o juiz e promotor da Comarca, a respeito do assunto e assegura que não há em qualquer dos casos relatados pelas crianças, “nenhum indício de verdade ou realismo que possa levar a polícia a concluir que houve, de fato, alguma tentativa de sequestro”. Em um dos casos, afirma o Capitão Amarildo, um dos menores foi abordado apenas para lhe ser “solicitada uma informação”.
O comandante local da PM ainda faz um apelo à população, para que “tome um cuidado muito grande com o que compartilha nas redes sociais “pois isso pode causar um pânico muito grande na comunidade, de forma desnecessária”.
Embora as palavras do policial tenham sido com o objetivo de tranquilizar a população, os pais das crianças envolvidas nos relatos de possíveis tentativas de rapto ficaram revoltados pela forma simplista com que o comandante da PM tratou o assunto, sem dar esclarecimentos sobre o que de fato aconteceu. “Se existem imagens de câmeras de segurança, por que não se verificam as placas dos carros, para saber de fato quem são essas pessoas”— indaga um pai. Segundo o relato de dois pais, que publicaram seus áudios na internet, seus filhos estão traumatizados com o ocorrido e sequer querem ir à escola com medo da situação voltar a ocorrer.

Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG

Deixe um comentário