Segunda, 11 Maio 2020 00:00

ACEAP entrevista a economista alemparaibana Paula Esquerdo

Avalie este item
(1 Voto)
ACEAP entrevista a economista alemparaibana Paula Esquerdo Facebook Paula Esquerdo

ACEAP: Do que é composto o PIB municipal?

Paula Esquerdo:

Importante observar que: por mais que o setor comercial e de serviços represente mais da metade do PIB Municipal, ele foi o que mais perdeu vagas de trabalho em 2019: 90 vagas de trabalho a menos nesse setor.

ACEAP: Como PIB de além-paraíba se comporta diante da região?

Paula Esquerdo:  

ACEAP: Como incentivar a economia alémparaibana?

Paula Esquerdo: O ideal é sempre diversificar, pois se a economia da cidade é majoritariamente dependente de um setor ela, consequentemente, fica a mercê do desempenho do mesmo.

Ou seja: se tal setor apresenta um desempenho ruim, toda a cidade sofre as consequências.  Se a diversificação é mais equilibrada e um desses setores obtiver um desempenho ruim, esse impacto pode ser sentido sim na cidade, mas de uma maneira mais branda. Há a dissipação do impacto.

ACEAP: E como fazer isso na prática?

Paula Esquerdo: Criando incentivo e incentivadores específicos para cada setor a ser desenvolvido. Assim, como há a associação comercial.

Organizar isso de uma forma alheia à prefeitura municipal e, quando envolve-la, não lutar por benefícios a empresas específicas e sim para todas do setor.

 ACEAP: O que muda com o Coronavírus, na economia alémparaibana?

Paula Esquerdo:

WhatsApp Image 2020-05-11 at 13.26.30.jpeg

De 2019 para 2020, o PIB terá uma queda (prevista) de 3,35%.

ACEAP: O que fazer nesse cenário para enfrentar a crise?

Paula Esquerdo: Economistas tanto de direita quanto de esquerda convergem para uma mesma opinião: neste momento apenas o Governo pode segurar a economia, de alguma forma. É como se fosse um cenário de guerra.

Imagine a seguinte situação (extrema): se a sua cidade fosse um campo de batalha em uma guerra, existe a possibilidade de abrir o comércio? Não. Então, as pessoas que ali vivem não podem passar fome. Quem tem a responsabilidade de manter a população segura é quem as representa.

No município, já passou da hora dos estabelecimentos se modernizarem. Agora mais do que antes. Serviços como delivery para vendas online estão em alta. Porém, mesmo assim, muitos outros estabelecimentos ainda vão sofrer, ainda mais os que dependem do turismo, dependem da circulação de pessoas (como: bares, lojas de roupa, rede hoteleira). Para esses empresários, o governo deve implementar ajuda exclusiva, visando manter a saúde financeira do estabelecimento e dos funcionários.

ACEAP: Por que a pandemia sobrepõe questões econômicas, nesse momento?

Paula Esquerdo: Justamente pela vida das pessoas que, além de serem seres humanos, são mão-de-obra e consumidores. Por isso é responsabilidade do governo garantir a sobrevivência da população.

 ACEAP: Você divulgou um estudo sobre o ciclo entre os três agentes para a dinâmica do município: população, setores da economia e Governo. A Associação comercial bate muito na tecla das compras locais... Seria possível você explicar a importância dessa valorização local, dentro dessa dinâmica, Paula?

Paula Esquerdo: Se eu, pessoa física, cidadã do município compro de um empreendedor da cidade, os benefícios já começam de dois pontos: a receita contábil do empreendedor consegue pagar os salários dos funcionários que, por sua vez, consomem “N” coisas em outros setores:  compram roupas, compram alimentos, vão nos bares tomar cerveja. De outro lado, a Prefeitura recebe isso, por exemplo: com o valor dos impostos ela consegue manter os serviços que ela provém na cidade, como infra-estrutura, saúde, etc. A população, consequentemente, ganha.

 ACEAP: “O montante recebido por aposentados na cidade (considerando que todo o valor seja gasto na própria cidade) gera, na economia local, um retorno de R$ 142 milhões, valor que representa 15% do PIB municipal”.

 Essa é uma afirmação do seu blog, portanto, te pergunto,  Paula, esse nicho, o dos aposentados, pode nesse momento ser um bote salva vidas para a economia de Além Paraíba?

Paula Esquerdo: Sim certamente. Isso porque eles recebem um valor fixo e inesgotável (até a morte). A renda deles, como é estável, mesmo sendo pouca, pode ser a fonte segura de muitas famílias, ainda mais em Além Paraiba que, como vimos, apresenta 15% do PIB sendo movimentada pela renda de aposentadorias.

ACEAP: E, para terminar, quando essa paralisação necessária na economia, começará a prejudicar os recursos públicos e aí influenciando até numa suspensão de pagamentos de benefícios como seguro desemprego e aposentadorias?

Paula Esquerdo: Que a crise com o coronavírus vai prejudicar a economia do país, ela vai. Porém, se forem  tomadas medidas de resguardo aos empresários e os funcionários continuarem  trabalhando e contribuindo para previdência já é um bom indício. O governo é responsável por essa estratégia senão ele mesmo não terá como se financiar, o que pode levar à adoção de políticas expansionistas, como o estímulo ao setor da construção civil, compra de títulos públicos, etc.

aceap_entrevista.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG
Última modificação em Segunda, 11 Maio 2020 18:14

Deixe um comentário