Terça, 06 Outubro 2015 00:00

ELEIÇÃO PARA O CONSELHO TUTELAR DE ALÉM PARAÍBA VIROU DISPUTA DE PODER ENTRE POLÍTICOS Destaque

Avalie este item
(3 votos)

 

Treze candidatos participaram, no último domingo, dia 4 de outubro, da última etapa— as eleições diretas— para a escolha dos novos Conselheiros Tutelares de Além Paraíba. A eleição aconteceu em todo o país.
O processo para escolha dos novos Conselheiros Tutelares de Além Paraíba começou no mês de maio deste ano e, desde então, foram seguidas diversas etapas, nas quais vários candidatos foram submetidos a provas escritas de avaliação de conhecimentos e também avaliações psicológicas. Para a última etapa do processo— a eleição, que aconteceu no último dia 4 — restaram apenas 13 candidatos. Desses 13, cinco foram eleitos por voto popular, facultativo, bem como os cinco suplentes. Podia votar, voluntariamente, qualquer cidadão com título de eleitor de Além Paraíba, em dia com suas obrigações eleitorais. O processo foi conduzido pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (presidido por Pedro Monte) e acompanhado pelo Promotor de Justiça, Dr. José Gustavo Guimarães da Silva— representando o Ministério Público.
O Conselho Tutelar tem como função principal resguardar os direitos constitucionais das crianças e dos adolescentes.

Dos treze nomes concorrentes na última fase, cinco foram eleitos: Paulo Henrique, o “Paulinho” (264 votos); Débora Madalena (208 votos); Eduardo Matos dos Santos (156); Edivam de Souza Coelho (150) e Sandrinha Oliveira (138).
Ficaram na suplência: Patrícia Castro Leonel (118 votos), Cida Citrângulo (96 votos), Edina Fazolato (87), Fiama Moreira Vidal (78) e Gabriela Moreira Gonçalves (48).
Débora Madalena foi a única integrante do Conselho Tutelar vigente a se reeleger.
Os cinco novos conselheiros titulares serão empossados no dia 10 de janeiro de 2016 e ficarão no cargo por quatro anos, com um salário mensal de dois salários mínimos.
À eleição, realizada na sede do Rotary Club de Além Paraíba, na Ilha do Lazaretode forma surpreendente para os organizadores— compareceram 1.434 eleitores,dos quais 5 anularam seus votos e dois votaram em branco. No total foram 1.427 votos válidos. Na realidade, estava sendo esperado um máximo de 500 pessoas, tanto assim que novas cédulas extra tiveram que ser impressas em caráter de urgência, no decorrer do domingo. A escolha dos novos Conselheiros Tutelares de Além Paraíba foi uma disputa nunca antes vista, sendo esta a primeira vez em que a eleição foi aberta à população (na eleição anterior, no ano passado, para um mandato-tampão de apenas um ano, que se finda em janeiro próximo, os eleitores tiveram que se cadastrar previamente). Com uma disputa tão acirrada, os candidatos (que não podiam fazer propaganda aberta) pediram seus votos a seus amigos através de mensagens fechadas nas redes sociais da Internet, telefone, e até mesmo no velho sistema de “boca de urna”, através de “cabos eleitorais”. Segundo denúncia do jornal Além Parahyba, “foi observada a ingerência de alguns vereadores e agentes políticos do município na campanha de alguns candidatos, o que não deveria acontecer”. Essa ingerência política, demonstrando quase uma disputa de poder entre alguns vereadores locais, teria sido a responsável pelo inesperado e elevado número de votantes, muitos dos quais já se postavam em fila desde as 5 horas da manhã, na Ilha do Lazareto. 
Embora a disputa tenha sido acirrada, vários eleitores que compareceram ao local de votação acabaram desistindo de dar o voto a seu candidato, devido à lentidão do processo. Muitos postaram sua indignação em redes sociais da Internet, classificando a votação como “desorganizada”. Como era dada prioridade de votação aos idosos, gestantes e mulheres com crianças ao colo, as outras pessoas tiveram que levar horas na fila de espera (o prefeito de Além Paraíba, Fernando Lúcio Donzeles, levou 2 horas e meia para conseguir chegar à cabine de votação). Não houve setorização por bairros, havia apenas um local para a votação (a sede do Rotary Club, na Ilha do Lazareto, com 3 cabines e uma única urna para se depositarem os votos).Como a fila ficou enorme— e o voto era voluntário e não obrigatório— muitos desistiram de esperar sob sacrifício, debaixo de um sol escaldante. Algumas dessas pessoas registraram, através da Internet, o seu sentimento de frustração por não terem conseguido votar em seu candidato. E isso determinou o resultado do processo de escolha.

Os organizadores da eleição reconheceram os problemas ocorridos e já se comprometeram em aperfeiçoar o processo para próximas ocasiões.Em entrevista ao Programa Marcos Curty, na Rádio Cultura de Porto Novo, o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Pedro Montes, e o Promotor de Justiça, Dr. José Gustavo explicaram as dificuldades— inclusive a surpresa diante do elevado número de eleitores— e destacaram, também, os pontos positivos deste longo processo de escolha, tendo sido a eleição apenas a culminância dele. Os Conselheiros eleitos estão devidamente preparados para a importante missão que irão desempenhar nos próximos quatro anos, a contar de 10 de janeiro de 2016.
A escolha dos novos Conselheiros Tutelares possivelmente renderá novas notícias. Segundo comentários do jornalista e vereador Dauro Machado, em seu programa radiofônico na Rádio Cultura de Porto Novo, alguns candidatos que se sentiram prejudicados já anunciaram que entrarão com uma representação contra uma outra candidata, eleita no domingo passado, que teria usado um antigo expediente proibido nos pleitos eleitorais: o transporte de eleitores.
O prefeito de Além Paraíba, Fernando Lúcio Donzeles (de costas, próximo às cabines), ficou 2 horas e meia na fila, para conseguir votar.


A comissão organizadora da eleição teve que enfrentar muitas surpresas. Pela primeira vez, o processo de votação foi direto, com a participação de quem quisesse, voluntariamente, eleger seu candidato.

Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG
Última modificação em Quarta, 14 Outubro 2015 01:25

4 comentários

  • Link do comentário TÔ DE OLHO Quarta, 14 Outubro 2015 15:25 postado por TÔ DE OLHO

    Ser político é o meio mais fácil de se ganhar DINHEIRO
    no Brasil. Coitado do povo.

    Relatar
  • Link do comentário lucia Quinta, 08 Outubro 2015 20:36 postado por lucia

    todos os concorrentes ao cargo de conselheiro estavam sim transportando eleitores todos eu vi e fazendo boca de urna principalmente o marido de uma conselheira que esta no cargo .bjs

    Relatar
  • Link do comentário lucia Quinta, 08 Outubro 2015 20:35 postado por lucia

    todos os concorrentes ao cargo de conselheiro estavam sim transportando eleitores todos eu vi e fazendo boca de urna principalmente o marido de uma conselheira que esta no cargo .bjs

    Relatar
  • Link do comentário Emilio Matos Quarta, 07 Outubro 2015 02:48 postado por Emilio Matos

    Politizando o que não deveria ser politizado. Até santinhos, como nas eleições de verdade foram jogados nas casas e distribuidos nas ruas. Será que isso é bom ? Gostaria de entender!!!

    Relatar

Deixe um comentário