Terça, 10 Novembro 2015 00:00

Jamapará volta à normalidade com o abastecimento de água

Avalie este item
(0 votos)
Uma barragem foi construída às pressas para represar a água da chuva. Isso possibilitou o represamento das águas, que foram canalizadas para o reservatório e posteriormente receberam tratamento. Uma barragem foi construída às pressas para represar a água da chuva. Isso possibilitou o represamento das águas, que foram canalizadas para o reservatório e posteriormente receberam tratamento. Jornal AGORA

IMG_4121.jpg

A obra de canalização da água do rio Paraíba do Sul já começou, com a instalação das tubulações, começando pela parte alta do bairro "Barão".


 

IMG_4114.jpg

A pequena represa, possibilitada após a construção emergencial de uma barragem no Córrego do Barão.


Por quase 30 dias os bairros Jamapará, Barão, Taquara e Clube dos Duzentos— localizados em Sapucaia (RJ)— sofreram com a falta de água.

Com a escassez das chuvas, o reservatório que fica localizado no alto do bairro do Barão secou por completo. Os moradores conseguiram passar por esses dias difíceis, a princípio, apenas com a ajuda de amigos e empresários, que disponibilizaram seus veículos para conduzir barris e galões de água até as residências. Em um segundo momento— quando a falta de água atingiu as localidades por completo e totalmente, a prefeitura do município de Sapucaia e a CEDAE buscaram soluções maiores, tentando canalizar a água de Além Paraíba para o estado do Rio. Como a tentativa não surtiu resultados positivos, a água da Copasa passou a ser transportada em caminhões-pipa, que abasteceram, diariamente, o reservatório da CEDAE— no bairro Barão. Do reservatório, a água tratada passou a ser distribuída para as residências, a fim de que a população pudesse ter supridas as suas necessidades básicas.
No último final de semana— desde a sexta-feira, 6 de novembro, e até o decorrer do domingo— choveu bastante nesta região mineiro-fluminense. A Companhia Estadual de águas e Esgoto (CEDAE), como medida preventiva, construiu uma pequena barragem no Córrego do Barão— de onde é captada a água que abastece o distrito. A pequena represa que se formou com a água das chuvas permitiu a captação do líquido que, canalizado para o reservatório da CEDAE, foi tratado e distribuído para as residências dos bairros Jamapará, Barão, Taquara e Clube dos Duzentos— aliviando, assim, um sofrimento de mais de 20 dias por parte da população. O abastecimento d´água foi normalizado por completo na noite do dia 8 de novembro, conforme informações de moradores.
A reportagem do Jornal AGORA fez contato com o vice-prefeito e também Secretário de Obras de Sapucaia, Fabiano Teixeira— designado pelo prefeito Anderson Zanon para acompanhar de perto a situação de Jamapará e bairros. Segundo Fabiano, a barragem para o represamento das águas do Córrego do Barão foi uma medida tomada às pressas, de forma emergencial, mas que não será desfeita: “No decorrer de cada ano, quando houver escassez de chuva, a barragem servirá como apoio”. A solução definitiva para o problema da falta de água em Jamapará virá com uma obra, que a CEDAE já iniciou há vários dias, para a captação e canalização das águas do rio Paraíba do Sul. Tais obras prosseguem e permanecerão de forma definitiva, garantindo o abastecimento do distrito, caso, no futuro, volte a ocorrer falta de água devido à seca do Córrego do Barão. “Sempre que necessário, uma bomba fará a retirada da água do rio Paraíba e essa água será canalizada para o reservatório da CEDAE, que possui toda a tecnologia, com equipamentos modernos, para o tratamento de águas fluviais”—garantiu o vice-prefeito de Sapucaia, despreocupando muitos moradores que temem o consumo da água vinda do Paraíba do Sul, um dos rios mais poluídos do país, inclusive com dejetos de indústrias químicas e siderúrgicas.
A obra de captação da água diretamente no rio Paraíba do Sul acabou demorando mais tempo que o previsto. A previsão inicial era que ficaria pronta dentro de 5 dias, após o seu começo. Porém, Prefeitura de Sapucaia e CEDAE tiveram que enfrentar um sério problema com a Acciona— concessionária do trecho da BR 393, denominado “Rodovia do Aço”, e compreendido entre Volta Redonda e Além Paraíba. A Acciona embargou a obra de captação da água com base em regulamento do DNIT, que não permite obras com um mínimo de 15 metros às margens da rodovia. A solução foi fazer um novo projeto colocando uma bomba “anfíbio” atrás do Posto de Gasolina “Divisa”, respeitando o regulamento do DNIT, mas permitindo a captação da água. A canalização também não afetará a rodovia, já que os canos passarão sob a pequena ponte do Córrego do Barão— existente na BR 393, próxima ao desemboque no rio Paraíba do Sul.

Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG
Última modificação em Quarta, 11 Novembro 2015 23:23

Deixe um comentário