Sexta, 19 Fevereiro 2016 00:00

Colina estava linda, mas cometeu muitos erros e amargou o quarto lugar

Avalie este item
(1 Voto)
Nélson Barroso, da fundação da Colina; com Fátinha e o escultor José Heitor. Nélson Barroso, da fundação da Colina; com Fátinha e o escultor José Heitor. Marilia Muniz

A primeira escola de samba a pisar na avenida na noite de segunda-feira foi o Grêmio Recreativo União da Colina. O desfile da agremiação estava previsto para acontecer 1 hora mais cedo, porém houve um atraso na chegada dos carros alegóricos da verde e branco do Morro da Conceição. As alegorias, que tinham sido confeccionadas nas proximidades do palco Hélio Fazolato (na Ilha do Lazareto), só foram levadas para a avenida em cima da hora. Isso, entretanto, não prejudicou a escola, pois, por decisão da LIGA, o cronômetro da Colina apenas foi disparado às 22h30min. Houve alguns protestos por parte de integrantes de outras escolas, mas a presidente da LIGA, Rosemary Fernandes, assumiu o risco e manteve a decisão da tolerância com relação ao horário.
A Colina despontou na avenida com sua diretoria elegantemente vestida, empolgada e emocionada, embalada pelo belo samba de Érick Correia e Meia Noite. A escola, atualmente presidida por Beto Santos, não desfilava desde 2011, e seu retorno trouxe energias positivas ao carnaval de Além Paraíba.
Com o enredo “A realeza africana desce da Colina exaltando suas raças em cores e versos”, e sob a batuta do carnavalesco André Veloso, a Colina mostrou um lindo desfile, com fantasias dentro do enredo e alegorias grandiosas. Porém, cometeu muitos erros em sua passagem pela avenida, e os jurados que vieram do Rio de Janeiro— especialmente contratados pela LIGA— não perdoaram. Além do principal carro alegórico ter quebrado durante o desfile, havia alguns componentes de alas descalços ou com chinelo de dedo. Algumas fantasias (como a da Comissão de Frente) também se rasgaram e adereços caíram na avenida. O carnaval “importado”, com fantasias de segunda-mão e recicladas, não causou boa impressão aos jurados. Os detalhes foram percebidos e a escola perdeu pontos por isso. O samba-enredo, brilhantemente interpretado por Érick Corrêa e uma equipe de bambas, tinha um dos mais belos refrões do carnaval 2016 em Além Paraíba (“O meu grande amor/ Colina é você/ parece sem fim a minha paixão/ é verde e branco o meu coração”). Conseguiu ganhar um dez, nota máxima dos jurados. Porém, nos quesitos “Conjunto” e “Evolução”, a verde e branco perdeu vários pontos justamente pelo fato do samba não ter sido cantado em sua totalidade pelos integrantes da escola: “80% dos componentes não cantaram o samba”— justificaram os jurados. Até mesmo o “drone” do vereador Dauro Machado—diretor-secretário da Colina— contribuiu para a escola ser penalizada pelos julgadores, que escreveram, em suas justificativas: “ Um senhor, usando as cores da agremiação, blusa verde-claro, calça e chapéu branco, atrapalhou muito o desempenho da escola, pois fazia os membros pararem para posarem para suas fotos repetidamente, e também cruzava a escola a todo momento, passando na frente dos carros.”
Até a bateria comandada por Tibúrcio e Caio “Two” não conseguiu o seu tradicional dez: ganhou 9,9, por conta de “sustentação baixa na ala de tamborins”— escreveu o julgador Édson Souza Ferreira em sua avaliação.
Dessa forma, a Colina, que visualmente estava muito bonita e era cotada para ser a campeã do carnaval 2016 em Além Paraíba, acabou tendo que amargar um quarto lugar, depois de anunciados os resultados do julgamento na tarde de terça-feira, na Ilha do Lazareto.

colina__1.JPGcolina__2.JPGcolina__3.JPG

Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG
Última modificação em Quarta, 24 Fevereiro 2016 17:24

Deixe um comentário

whatsapp_jornal
alemfitnessdentro
nutrição
rvsound
farol
portosunset