Segunda, 13 Fevereiro 2017 00:00

SUAPI assume a cadeia pública de Além Paraíba e fará reformas nas celas

Avalie este item
(0 votos)
SUAPI assume a cadeia pública de Além Paraíba e fará reformas nas celas Foto: Policia Civl (Blog Adenilson Mendes)

Na manhã de hoje, 13 de fevereiro, a SUAPI— Subsecretaria de Administração Prisional (subordinada à Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais)— assumiu a custódia dos presos e a responsabilidade pela administração da cadeia pública de Além Paraíba, localizada na Rua Barão de Guararema, bairro São José.
A SUAPI é, hoje, responsável por gerir cerca de 60 mil vagas em centenas de unidades prisionais de Minas Gerais, entre complexos penitenciários, penitenciárias, presídios, casas de albergados, hospitais e centros de apoio.
Uma das metas do atual governo de Minas é absorver, no sistema prisional, todos os presos que estão sob a custódia da Polícia. A medida permite a liberação dos policiais civis e militares para o cumprimento de suas funções constitucionais de investigação e policiamento ostensivo. Para isso, há assunções de cadeias públicas. Quando a SUAPI passa a gerir o estabelecimento prisional, este passa por uma série de reformas estruturais e operacionais . Esse é o caso de Além Paraíba.
A primeira operação da SUAPI em nível local foi realizada, no dia 6 de fevereiro: a transferência de alguns presos da cadeia pública de Além Paraíba para a cadeia da cidade de Leopoldina. Essa ação aconteceu devido a uma reforma que está para começar nos próximos meses nas precárias celas. É importante destacar que, em janeiro do ano passado ( 2016), a Defesa Civil de Além Paraíba havia interditado todo o prédio situado na Rua Barão de Guararema, em São José, onde funcionam a DEPOL e a cadeia pública. Na ocasião, a interdição se deu por conta do péssimo estado de conservação do prédio como um todo, que apresentava infiltrações, vazamentos hidráulicos e comprometimentos, também, nas instalações elétricas, com fios desencapados. A parte da Delegacia foi fechada por seis meses, para uma reforma geral e a polícia civil ficou sediada temporariamente em um prédio no centro de Porto Novo, retornando ao seu local de origem no início do segundo semestre de 2016. Agora, a reforma chega à cadeia pública, cujas celas passarão por obras de melhorias.
A cadeia pública de Além Paraíba vinha abrigando 53 presos, sendo que, destes, dezessete foram transferidos para a vizinha cidade de Leopoldina. Mesmo com as obras, ainda permaneceram 36 presos na cadeia de Além Paraíba. Após a conclusão da necessária obra, os transferidos retornarão a Além Paraíba, segundo informações colhidas junto à polícia civil. Enquanto isso não acontece, os familiares dos 17 detentos transferidos estão tendo que se deslocar até a cidade de Leopoldina para fazerem suas visitações semanais.

MUITAS FUGAS REGISTRADAS NA CADEIA LOCAL


1_A_BRANCO_1.jpg
Warlei Prata, 34 anos, e Nilson Batista Calazans, 42 anos.

66da8bbb-7336-4837-97f0-32eb753c9d79.jpg
 Iago de Oliveira Santos, 24 anos.


A cadeia pública de Além Paraíba acumula, ao longo dos últimos meses, mais de dez fugas de presos. A última delas aconteceu no início da manhã do dia 2 de janeiro deste ano 2017. Três detentos renderam o carcereiro quando esse fazia a liberação de alguns presos que estão no regime semiaberto para os mesmos poderem trabalhar. O agente carcerário foi rendido com um golpe conhecido por “chave de braço” por um dos três detentos em fuga. Em seguida, eles o amarraram e o trancaram na cela, pegando as chaves do portão da cadeia e até mesmo as chaves do veículo particular do carceiro, utilizando o Volkswagem Fox para escaparem. Um dos fugitivos é Iago de Oliveira Santos, 24 anos, que confessou ter participado, no último dia 22 de dezembro, do latrocínio (roubo seguido de homicídio) do idoso Adalton Lamin Ferreira, de 84 anos, em uma casa localizada na estrada que liga Fernando Lobo a Angustura), na zona rural de Além Paraíba. Os outros dois criminosos foragidos são Warlei Prata, 34 anos, e Nilson Batista Calazans, 42 anos. Eles tinham sido presos pela Polícia Rodoviária Federal, em Além Paraíba, no dia 29 de novembro de 2016, com mais de R$2,5 milhões em cheques. Até o momento, nenhum dos três fugitivos foi capturado. (Fotos: Policial Civil)

LATROCÍNIO EM ANGUSTURA

Adalton_Lamin_Ferreira.jpg

Foto: reprodução do Blog de Adenílson Mendes

 

O idoso Adalton Lamin Ferreira (foto) foi morto na frente de sua esposa, de 82 anos, no dia 22 de dezembro passado. Quatro indivíduos armados invadiram a residência do casal, localizada na estrada que liga Fernando Lobo a Angustura (na zona rural de Além Paraíba). Eles procuravam por dinheiro. Não conseguindo, amarraram o casal e roubaram chaves e documentos de um automóvel Chevrolet Prisma, pertencente a Adalton. Na saída da casa, um dos bandidos atirou com um revólver e acertou o idoso, que veio a falecer. O casal foi encontrado pelo filho, que chegou de viagem do Rio de Janeiro para passar o Natal com os pais. Adalton já estava morto e sua esposa se encontrava em estado de choque.
Na manhã do dia 24 de dezembro, as polícias Civil e Militar, numa ação conjunta, conseguiram prender, em Angustura, dois dos quatro suspeitos do latrocínio: Luiz Paulo Ferreira (conhecido por “Chicote”) e Iago de Oliveira Santos (que acabou empreendendo fuga da cadeia pública de Além Paraíba, menos de 10 dias após ter sido preso). Outros dois criminosos ainda estão soltos: Paulo César Assis Bonifácio e Flávio Assis Bonifácio (Flávio teria sido o responsável pelo disparo que matou Adalton Lamin).




Informações adicionais

  • Cidade: Além Paraíba - MG
Última modificação em Quarta, 15 Fevereiro 2017 21:08

Deixe um comentário