Política

Política (208)

O Secretário de Justiça, Bruno Barros (FOTO), o presidente da Associação de Mototaxistas de Além Paraíba, Alexandre Pinto da Silva e o comandante da Polícia Militar, Flávio Campos, compareceram à reunião da Câmara de Vereadores no dia seis de abril, para serem ouvidos a respeito da fiscalização do serviço de mototáxi no município.
Foram convidados representantes da Polícia Militar de Carmo (RJ) e do DETRO – RJ, que não atenderam ao convite da Câmara, feito através de requerimento do Vereador Roberto Tolentino (Betão).
Alexandre Pinto da Silva esclareceu que não pretende criar problemas, mas encontrar uma solução para a situação da fiscalização de mototaxistas clandestinos. Segundo ele, são mais de 100. Inclusive alguns clandestinos têm suas motos emplacadas no Carmo e atuam livremente em Além Paraíba. “… o caso do esfaqueamento do mototaxista foi uma tragédia anunciada, eu já havia comunicado à PMAP que poderia acontecer”, afirmou Alexandre Pinto.
O Secretário de Justiça, Bruno Barros, disse que os clandestinos não causam prejuízos apenas aos Mototaxistas legalizados, taxistas e à empresa 13 de Junho, mas também ao Município, por não pagarem Alvará. O Secretário concordou que seja feita uma reunião com o Prefeito, para chegarem a uma solução quanto a este problema.
Bruno disse ainda que pediu ao Presidente da Associação de Mototaxistas uma lista de clandestinos, contendo a placa dos veículos, e que encaminhou a lista para a Polícia Militar. Em relação à fiscalização, Bruno Barros esclareceu que, no seu entendimento, só podem ser fiscalizados os mototaxistas legalizados, ou seja, aqueles que obtiveram concessão do Poder Público.
O Comandante da PM iniciou sua fala dizendo: “… cheguei em março, no olho do furacão, tenho ouvido críticas e reclamações e não posso dizer o que estava sendo feito e como. Em relação às críticas não posso me defender pois não estava à frente do comando da Polícia Militar. Em relação ao transporte clandestino, o trabalho em conjunto seria a solução para pôr fim à prática ilegal.” - (Fonte: Site da Câmara Municipal de Além Paraíba)

No último dia 23 de março, foi aprovado, por unanimidade, o Projeto de Resolução que trata da constituição de uma Comissão de Investigação e Processante para apurar transgressões ao Regime Interno praticado pelo vereador presidente da Câmara de Sapucaia, Cleber Casadio (PTB). A representação foi feita pelo vereador Francisco de Assis Cavalcante da Silva (PMDB).
De acordo com a medida, a Comissão composta pelos vereadores Rildo Rodrigues de Souza (PSD), Egenor Rodrigues Curty (PT) e Marcella Raposo Vieira (PP) terão o prazo máximo de 40 dias para apurar infração às regras dos artigos do Regimento Interno citados na representação apresentada, bem como das práticas supostamente ilegais apontadas contra Cleber Casadio, emitindo parecer que será votado após a conclusão dos trabalhos.

Entenda o caso

Depois da renúncia em massa da Mesa Diretora na sessão solene do dia 23 de fevereiro, o presidente Cléber Casadio pediu que outro vereador tomasse posse, provisoriamente, do cargo de primeiro secretário a fim de dar prosseguimento aos trabalhos, porém nenhum vereador quis assumir o cargo.
O presidente deu a reunião por encerrada e deixou a casa legislativa. Porém, os vereadores elegeram uma nova chapa que deu a presidência ao vereador Chiquinho. Depois do incidente o vereador Cleber Casadio entrou na justiça e recuperou o cargo, o qual voltou a ocupar desde então. (Fonte: Entre Rios Jornal)

Bombardeado nas emissoras de rádio e em grupos de debates sobre Além Paraíba na Internet, o Secretário Municipal de Saúde, Hudson Freitas, o “Bedeu”, não compareceu à reunião do dia 16 de março na Câmara Municipal— pela qual havia sido convocado, para prestar esclarecimentos a respeito de problemas que vêm ocorrendo em sua gestão. As denúncias, capitaneadas pelo vereador Dauro Machado, vão desde a falta de medicamentos, passando por sumiço de documentos e até mesmo “prática de sexo grupal” na sede da Secretaria, o que levou o parlamentar a afirmar publicamente que a Secretaria Municipal de Saúde de Além Paraíba é “uma zona, uma casa de quengas”.
Foi o vereador Dauro Machado quem liderou, junto aos seus pares no Legislativo, o movimento para que o Secretário Hudson Freitas fosse convocado a estar presente na reunião ordinária do dia 16 passado, na Câmara Municipal. O encontro e a sabatina acabaram não acontecendo, pela falta de comparecimento do popular “Bedeu”.
Em nota justificativa enviada ao Legislativo, o prefeito municipal de Além Paraíba, Fernando Lúcio Donzeles, esclareceu que a ausência de seu secretário se deu por recomendação médica e, por esse motivo, “Bedeu” ficará afastado de sua função por 30 dias, portanto, até meados de abril. Fernando Lúcio garante que o afastamento de seu Secretário de Saúde é necessário, e apenas “temporário”, e negou os boatos de que houve pedido de exoneração ou de demissão de Hudson Freitas.
Segundo noticiou o site da Câmara Municipal de Além Paraíba, assim que soube do não comparecimento do Secretário Municipal de Saúde à Câmara na tarde do dia 16 de março, o vereador Dauro Machado declarou em plenário que não abrirá mão da presença de “Bedeu” para prestar os devidos esclarecimentos na Casa e à população. E foi mais adiante, ameaçando recolher assinaturas para a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito): “O foco do problema se chama incompetência de gestão”— sentenciou Dauro Machado.

 

‘Bedeu’ se afastou por problemas na própria saúde

 



O Secretário Municipal de Saúde, Hudson Freitas, o 'Bedeu', teria se afastado de seu cargo por 30 dias para tratamento da própria saúde, mas há rumores de que ele será substituído no cargo.

 

Informações não oficiais dão conta de que o afastamento temporário do Secretário Municipal de Saúde, Hudson Freitas, se deu por ordens médicas, já que ele vem apresentando séria patologia gástrica, com indícios de sangramento estomacal (ele teria, por algumas vezes, “vomitado sangue”). O problema de saúde provavelmente teria sido agravado—relata a fonte da informação— pela alta carga de estresse a que ele está sendo submetido no cargo de Secretário Municipal de Saúde, tendo que driblar inúmeras adversidades, entre elas, as dificuldades financeiras apresentadas pelo SUS— Sistema Único de Saúde— aliadas a situações diárias de ações na Justiça para que a Secretaria pague medicamentos, tratamentos e até cirurgias particulares—mesmo para quem tem recursos financeiros. Neste último caso está enquadrado, inclusive, o maior crítico do Secretário Hudson Freitas: o vereador Dauro Machado que, no segundo semestre do ano passado, foi beneficiado por uma ação na Justiça, saindo vencedor. Dauro deveria ter se submetido a uma cirurgia para a retirada de um nódulo nas cordas vocais. A Prefeitura, obrigada pela Justiça, pagou pelo procedimento a um renomado médico particular de Juiz de Fora, mas o vereador não foi operado por ter passado mal no momento da cirurgia, com uma crise hipertensiva. O dinheiro não foi devolvido aos cofres públicos.
Em recente entrevista ao Jornal Além Parahyba, Dauro declarou: “Ingressei na Justiça e consegui uma liminar para que o SUS pagasse a cirurgia. É um direito de todos. Fiz como diversas pessoas de Além Paraíba, que mesmo com confortável situação financeira assim procederam, ou seja, entraram na Justiça para o custeio do tratamento. Ganhei na Justiça, porque na época eu não tinha condições de pagar a cirurgia. Vale ressaltar que a Prefeitura não me repassou qualquer dinheiro, pois isso tudo é pago diretamente ao hospital onde será realizado o procedimento cirúrgico e aos médicos. Quando eu for operar, a Secretaria de Saúde arcará com os custos cerca de R$ 9 mil. A Constituição Federal diz que saúde é direito de todos e dever do estado. Eu pago impostos, então entrei na Justiça para garantir minha saúde e aconselho a todos que não consigam seus tratamentos em tempo rápido que façam o mesmo.”
Segundo informou uma fonte ligada à Administração Municipal, os R$ 9 mil aos quais se refere o vereador Dauro, seriam, na verdade, R$10.300 mil e, ao contrário do que ele afirmou na entrevista ao jornal Além Parahyba, o valor, ou parte dele, já teria sido pago em 2014, antes mesmo do vereador se internar para fazer a cirurgia. Tal valor não foi devolvido aos cofres públicos, nem pelo hospital, nem pelo médico, e nem pelo vereador, pois, conforme o mesmo destacou, na entrevista concedida ao jornal Além Parahyba, o dinheiro não passou por suas mãos.
A mesma fonte informou ao JORNAL AGORA que, atualmente, por conta de inúmeras ações judiciais como a de Dauro— “na maioria das vezes impetradas por pessoas com condições financeiras para custear seus tratamentos”— estão se esvaindo da Secretaria Municipal de Saúde, “mais de R$ 700.000,00” de recursos advindos do SUS. “Quando alguém ganha uma causa dessas na Justiça, quem perde é o mais fraco e o que mais necessita”— opinou a fonte, concluindo: “Os gastos extras determinados pela Justiça refletem diretamente na qualidade da saúde pública para os mais necessitados. Quando alguém passa na frente de outro via ação judicial, esse alguém toma o lugar do outro, que acaba na longa fila de espera do SUS, devido à diminuição dos recursos financeiros para a saúde do município”.


Prefeitura confirma pagamento de cirurgia que não foi feita

Para a confecção da presente matéria, a reportagem do JORNAL AGORA fez contato com a Secretaria Municipal de Justiça, a fim de que fosse apurado o real valor que a Prefeitura arcou ou arcará com a cirurgia do vereador Dauro Machado. Em nota enviada a este informativo, a Prefeitura confirma o valor de R$ 10.300 mil e também confirma que o vereador não se submeteu ao procedimento cirúrgico. O valor já pago não foi devolvido e a nota enviada ao JORNAL AGORA não diz se a PMAP está recorrendo na Justiça para reaver o dinheiro. Apenas informa que foi feito contato com o médico cirurgião que recebeu a quantia e este justificou os motivos do adiamento da cirurgia de Dauro. Leia, na íntegra, a explicação da Secretaria de Justiça:
“No dia 30 de julho de 2014, o impetrante Dauro Garcia Machado ingressou com Mandado de Segurança em face do Município, alegando ter sido diagnosticado como portador de Lesão de aspecto tumoral em edema de Reinke na prega vogal esquerda, com área de necrose, leucoplasia CID 10J38.3. No dia 04 de agosto do mesmo ano, o MM Juiz da 1ª Vara, Dr. Emerson Marques Cubeiro dos Santos, antecipou os efeitos da tutela e determinou que o Município providenciasse, no prazo de 20 dias, a referida cirurgia, sob pena de crime de desobediência. Ressalta-se que no processo, existe declaração médica informando a impossibilidade do procedimento cirúrgico ser realizado no HSS, diante da “falta de instrumento específico”. Para que o procedimento cirúrgico fosse realizado em Juiz de Fora, foi condição imperiosa o pagamento antecipado dos serviços médicos, no valor de 6.500,00 (seis mil e quinhentos reais), mais o empenho das despesas com o hospital no valor de 3.800,00 (três mil e oitocentos reais). Não obstante, até a presente data, a cirurgia não foi realizada. A Secretaria de Justiça entrou em contato com o médico responsável, Dr. José Antônio Cheuhen Neto que informou, através de ofício que ‘não foi realizado o procedimento no paciente em razão de o mesmo ter apresentado, já no centro cirúrgico, um quadro de pânico, com alteração da pressão arterial, o que levou ao adiamento da cirurgia para devido acompanhamento psiquiátrico’.”
O JORNAL AGORA também fez contato, por telefone, com o vereador Dauro Machado, que autorizou que fosse reproduzida—como seu pronunciamento a respeito do assunto— a resposta dada por ele, sobre o mesmo tema, na entrevista recentemente concedida ao jornal Além Parahyba ( a resposta a que ele se refere já foi reproduzida acima, no corpo da presente matéria). Dauro fez questão de acrescentar que ainda não houve pagamento da parte destinada ao hospital, mas sim um empenho para futuro pagamento, por ocasião de sua cirurgia, quando ela vier a ocorrer. Ele diz que se encontra, atualmente, em tratamento psiquiátrico para vencer o pânico e acredita que, até junho próximo, ele já consiga estar em condições de retornar a um centro cirúrgico para ser operado. Mais uma vez, Dauro destacou que entrou na Justiça para conseguir a gratuidade em seu tratamento e entrará “tantas vezes quanto for necessário”, pois “existe muita gente rica” a fazer uso de tal caminho judicial, “até para comprar medicamentos para dor de barriga”.

Com o objetivo de concretizar o fortalecimento da Política de Regionalização do Turismo a Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais promoveu a Solenidade de Renovação do Certificado de Reconhecimento dos Circuitos Turísticos de Minas Gerais.
A convite do Governo de Estado compareceu à solenidade, o Secretário de Esporte, Lazer e Turismo de Além Paraíba, o Eng. Rogerio Lobo, acompanhado da Presidente do Circuito Turístico Serras e Cachoeiras, Sr. Elaine Ferraz, do qual Além Paraíba faz parte. A solenidade aconteceu na Cidade Administrativa, auditório JK, em Belo Horizonte, nesta segunda-feira, dia 23 março de 2015 e contou a participação do Secretario de Estado de Turismo Geraldo Pimenta, do Secretario de Estado de Cultura Ângelo Osvaldo, do Secretário de Governo, naquele ato representando o governador, Odair Cunha, além da Deputada Federal Jô Moraes e o Deputado Estadual Cristiano Silveira, entre outras autoridades. Estavam presentes os 46 Circuitos Turísticos de Minas Gerais. O Presidente da Secretaria de Cultura e Turismo de Sabará, o artista Saulo Laranjeira, foi convidado para prestar uma homenagem ao Dia Mundial da Água, que aconteceu no último dia 22 de março. Rogerio Lobo que acompanhou o evento comprovando o seu objetivo de política de regionalização do turismo mineiro confirmou sua pessoal intenção de participar efetivamente do trabalho de rede junto ao Circuito Turístico Serras e Cachoeiras, a partir deste ano, quando se tornou secretário da Pasta de Turismo. (Geraldo Vanini- ASCOM PMAP)

O vereador Roberto Tolentino de Oliveira (Betão) entrou com requerimento que convida Bruno Pontes Nazarino Campelo— Comandante do Batalhão da PM de Carmo (RJ); João Casemiro Araújo— Diretor Técnico Operacional do DETRO (RJ); Bruno Barros— Secretário Municipal de Justiça de Além Paraíba; Flávio Campos— Comandante do Batalhão da PM de Além Paraíba; e Alexandre Pinto da Silva— presidente da Associação de Mototáxi de Além Paraíba, para prestarem esclarecimentos na Câmara Municipal, no dia 06 de abril, segunda-feira, a respeito da fiscalização do serviço de mototáxi no município. Segundo os vereadores, o convite se faz necessário pela prisão de Mototaxistas devidamente legalizados que transportarem passageiros de Além Paraíba ao Estado do Rio. O vereador Reginaldo Câmara (Regisom) esteve pessoalmente com o Chefe Geral do DETRO (RJ), que informou ao vereador que o transporte interestadual de passageiros depende de autorização expedida pela ANTT. O tema suscitou debates entre os vereadores presentes a uma das últimas reuniões da Câmara, no sentido de conseguirem uma solução viável para o problema. (ASCOM CÂMARA)

A situação da coleta de lixo no município foi motivo de debate na reunião realizada pela Câmara Municipal de Além Paraíba na tarde do dia 23 de março. A coleta de lixo, antes feita integralmente, e diariamente, pela empresa Compromisso Ambiental, passou a ser realizada, em alguns bairros da cidade, em dias alternados, sendo que, na zona rural, a função do recolhimento do lixo doméstico retornou aos operários da Prefeitura. A Administração Municipal quis, com a medida, reduzir as suas despesas, economizando 16% do total do contrato com a Compromisso Ambiental.
Para o vereador Neidson Baião (PV), “trinta mil reais não é economia e não resolve o problema”. Ele acusou a Prefeitura de estar se utilizando do trabalho da Equipe de Combate à Dengue que estaria fazendo o papel de “coletores de lixo” em Além Paraíba: “Isso não é função dos Agentes de Combate a Endemias”. O Vereador Baião lembrou que é preciso que a população também seja conscientizada a guardar o lixo até o dia da coleta e ressaltou a importância da ACRAP— Associação dos Catadores de Recicláveis de Além Paraíba— que, a seu ver, também atua na coleta do lixo urbano, recolhendo 150 toneladas de material reciclável todos os anos, uma média de 12 toneladas mês.
Já o vereador Gelson Luiz de Moura, o Bi (PDT), em discurso na reunião do dia 23, também opinou sobre a situação da coleta de lixo: “Não há como negar o bom trabalho da empresa Compromisso Ambiental. Seu aterro sanitário, onde é depositado o lixo, é de primeiro mundo e evitou que a PMAP precisasse fazer, sem condições, um aterro sanitário.” Bi concorda que a população deveria ter sido informada e conscientizada, antes que houvesse mudanças nos dias e horários de coleta, e criticou alguns munícipes, que insistem em jogar móveis velhos e entulhos nos logradouros e praças da cidade, comportamento que está em desacordo segundo o código de postura do Município. O vereador lembrou que houve que a PMAP já havia feito grande economia na coleta do lixo hospitalar e disse “não entender” por que a situação da coleta de lixo urbano ainda continuou sendo um problema financeiro para a Prefeitura de Além Paraíba. Assim sendo, Bi sugeriu que a Câmara convide o prefeito Fernando Lúcio Donzeles e o Secretário de Finanças, Cleiton Tavares, para que compareçam ao Legislativo, a fim de fazerem tais esclarecimentos aos vereadores. (Da redação, com informações de Renato Machareth/Ascom Câmara)

A paralisação das obras de construção do Hospital Regional de Além Paraíba tem deixado apreensiva a população do município, que vê com descrença a possibilidade que a prometida obra tenha continuidade. As obras estão paradas desde o período de transição de governo, tendo assumido o comando do Estado de Minas Gerais o governandor Fernando Pimentel, do PT.
Para tomar ciência desse e outros assuntos de interesse do município de Além Paraíba, o prefeito Fernando Lúcio Donzeles esteve, na última semana de janeiro, em Belo Horizonte. Acompanhado dos prefeitos de Abadia dos Dourados, Pirapetinga, Estrela Dalva e Volta Grande, Fernando participou de reunião com o Subsecretário de Assuntos Municipais, Marco Antônio Viana Leite.
Na ocasião foram levadas ao governo estadual algumas demandas de Além Paraíba, principalmente as que se referem à continuação das obras do Hospital Regional. Face à mudança de governo, o subsecretário prometeu será feito um novo cronograma para a liberação de verbas futuras para a construção do hospital.
O prefeito Fernando Lúcio retornou a Além Paraíba otimista com o encontro e considerou muito proveitosa e bastante receptiva a audiência na capital mineira. O chefe do Executivo Municipal declara, com certeza, de que “o hospital será, em breve, uma realidade”. (Informações: Ascom PMAP)

 

ANTES MESMO DE SER CONSTRUÍDO, HOSPITAL REGIONAL JÁ TEM NOME

 

O Prefeito Fernando Lúcio Donzeles, sancionou o Projeto de Lei de autoria do Vereador Dauro Machado com co-autoria dos Vereadores Thiago Sabino e Roberto Tolentino dando nome ao futuro Hospital Regional de Além Paraíba que, mesmo antes de ser construído, já tem seu nome assegurado: Hospital Regional Álvaro Hermínio Martins Zamboni, uma homenagem ao empresário, popularmente conhecido por “Alvinho”, falecido em 8 de agosto de 2012.
A denominação passou a ser oficial através da Lei 3301, de 23 de dezembro de 2013.

Na tarde do dia 17 de dezembro, em uma decisão que surpreendeu os funcionários dos setores envolvidos e também aos demais funcionários da Prefeitura de Além Paraíba, a então Secretária de Administração, Maralene Junqueira, reuniu os funcionários de sua secretaria e anunciou que estava pedindo exoneração de suas funções. Junto com Maralene, também pediram exoneração o Secretário de Finanças, Ricardo Alexandre Rocha; a chefe da Controladoria, Fernanda Rocha da Silva; e a chefe do Departamento de Administração, Maria da Conceição Alexandre Cerdeira— funcionária aposentada da Prefeitura, que voltou à ativa para atuar no governo Fernando Lúcio. Cleiton Tavares (filho do vereador “Betão”) outro funcionário do alto escalão (estando apenas abaixo do Secretário da pasta), que ocupava o cargo de assessor setorial, também anunciou a sua demissão em solidariedade aos colegas. De fato, ele, que é funcionário concursado, deixou o cargo comissionado, mas, de uma forma diferente, voltou à paz com o governo municipal ao receber o convite— tendo aceito de imediato— para ser o Secretário Municipal de Finanças no lugar de Ricardo Alexandre Rocha. Tal posicionamento acabou rendendo muitas críticas ao funcionário. Para substituir Cleiton Tavares na chefia da contabilidade foi indicada a funcionária Alba Madureira Diogo Andrade. Ricardo Alexandre Rocha, que por anos atuou nas Finanças da PMAP, acabou transferido para a Secretaria de Educação.
A “debandada” geral no alto escalão do governo municipal teria se dado por divergências internas entre os funcionários demissionários e o Secretário de Justiça, Bruno Barros. O que a princípio era uma incompatibilidade de gênios acabou se transformando em animosidade, a ponto da então Secretária de Administração e o genro do prefeito e Secretário de Justiça terem deixado de se falar, nem ao menos se cumprimentando dentro dos padrões da civilidade.
Logo após a saída de Maralene Junqueira, assumiu a Secretaria de Administração o advogado Bruno Barros, Secretário de Justiça. O genro do prefeito passou a acumular a titularidade de duas pastas, recebendo, entretanto, o salário referente a apenas uma função. Há rumores de que Maralene, a ex-Secretária, que se encontra de férias depois que entregou o cargo, deverá ser transferida pela Administração Municipal para uma outra Secretaria.
A ex-Controladora Fernanda Rocha da Silva também já está fora da sede da PMAP. Ela, que como Maralene é funcionária concursada, agora está atuando na área de saúde. Para seu lugar, o prefeito Fernando Lúcio convidou a ex-chefe do Controle Interno do governo Wolney Freitas, Christiane Perácio.
Poucos dias após os pedidos de demissão da equipe de comando das finanças e administração municipal, foi a vez de Fernando Lúcio se ver com outro desfalque no seu grupo de apoio: o Secretário Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo, Pablo Borges, entregou, no início de janeiro, o seu pedido de exoneração. Pablo alegou que vinha se sentindo desprestigiado pelo companheiro Fernando— com quem cerrou fileiras na época da eleição, sendo um dos cabeças da campanha da coligação que elegeu “o professor”. Desde o ano passado, com a justificativa de “diminuir gastos com folha de pagamento”, o prefeito queria rebaixar a pasta ocupada por Pablo para “Subsecretaria”, sendo que o salário de R$ 6.000,00 mensais cairia para cerca de R$ 4.200,00.
—Não foi pelo dinheiro— assegurou Pablo à reportagem do JORNAL AGORA. Minha saída se dá pela indiferença da administração municipal mediante o sério trabalho que eu vinha desenvolvendo junto à Secretaria. Estou saindo também pelo desprestígio à minha pessoa. Rebaixar o meu cargo não resolverá os problemas financeiros da Prefeitura e ainda me deixa desmoralizado diante das pessoas que me conhecem e que confiam em mim. Tenho pretensões políticas futuras. Submeter-me a essa quase humilhação pública é não reconhecer a importância do grupo político do qual faço parte (ele é ligado ao PT) no contexto municipal— desabafou. Pablo, agora, retomou a sua empresa de representação de vendas e decidiu que vai se recandidatar à presidência do Esporte Clube Independente.
No lugar de Pablo Borges assumiu Rogério Lobo, que agora acumula duas secretarias: “Desenvolvimento” e também Cultura, Esporte, Lazer e Turismo”.
O governo municipal entrou em 2015 acatando pedidos de demissões, mas também demitindo— sempre em nome da adequação da folha de pagamento. Foram dispensados vários contratados e detentores de cargos comissionados. Entre os casos mais conhecidos, figurou a extinção da Assessoria de Imprensa, que funcionava de maneira informal (já que esta função não existe oficialmente) através do trabalho de dois conhecidos profissionais da área de comunicação: Renato Machareth e Carlos Roberto “Banjo”. Ambos não tiveram seus contratos renovados. Para “cuidar da imagem do governo municipal”, Fernando Lúcio Donzeles chamou o seu particular amigo de longas datas, Geraldo Lúcio Vanini— fundador do JORNAL AGORA ao lado de Paulo Roberto “Xaxá”. Vanini, empresário do ramo gráfico, já reside em Três Rios há quase 30 anos e está se aposentando. Na Prefeitura, ninguém confirma que ele ocupa a Assessoria de Imprensa, até porque esse cargo não existe oficialmente. Também não há qualquer confirmação de que ele tenha qualquer tipo de contrato ou cargo comissionado: “Vanini é um colaborador”— resume Juliana Donzeles, filha do prefeito que, por sua vez, também vem, desde meados do ano passado, doando boa parte do seu tempo como braço direito do pai, a título de colaboração.
Entre os que saíram, mas estão de volta ao governo municipal, os casos de maior repercussão são o de Arnaldo Januário Júlio, o “Nato” e ainda José Jacinto Teixeira, o famoso “Zé Teixeira”, conforme anunciou na semana que passou o vereador e jornalista Dauro Machado, em seu blog “Madame Víbora”, destilando o seu habitual veneno: “O puxa-saco está de volta”.

 


Fernando Lúcio e seus poderosos secretários de Governo- Bruno Barros e Rogério Lobo, ambos acumulando a titularidade de duas secretarias cada um.

 
Geraldo Lúcio Vanini veio de Três Rios e substitui Renato Machareth na Assessoria de Comunicação.


Sentindo-se desprestigiado, Pablo Borges foi o terceiro Secretário de Governo a pedir para sair. Sua pasta agora está sob o comando de Rogério Lobo.


Cleiton Tavares entregou seu cargo em solidariedade aos colegas, mas foi convidado, e aceitou, ser o novo Secretário Municipal de Finanças.


Mediante inúmeros comentários pesados nas redes sociais, com críticas ao Governo Municipal de Além Paraíba que “estaria de braços cruzados diante da cobrança da taxa de esgoto praticada pela COPASA, sem que o serviço de tratamento dos dejetos exista no município”, a Prefeitura, através de sua Secretaria Municipal de Justiça, enviou comunicado aos órgãos de imprensa locais informando que o município ajuizou uma Ação Civil Pública, movida contra a COPASA, a fim de impedir que a mesma continue cobrando a a referida taxa até a data do efetivo término das obras em Além Paraíba.
Segundo a nota, a PMAP entrou com tal ação judicial no dia 1º de fevereiro de 2013, mas o pedido de liminar foi “indeferido pela Justiça”, sendo que os autos do Processo se encontram, atualmente, em fase de instrução. O Processo tem o número 0002056-70.2013.8.13.0015 e está na 1ª CÍVEL/CRIME/VEC.
A Secretaria Municipal de Justiça— que é comandada pelo advogado Bruno Barros— ressalta também que, em 2 de dezembro de 2014, foi determinada a expedição de oficio para a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais - ARSAE-MG, “para que fossem enviadas informações em relação ao procedimento em que se deu o contrato e suas respectivas cláusulas”. Assim que houver resposta da ARSAE ao ofício, os autos serão conclusos ao Juiz, para julgamento. Portanto, o governo de Fernando Lúcio Donzeles está agindo no que tange à cobrança da taxa de tratamento de esgoto, conforme reivindica a população.

Durou pouco o “caso de amor” entre o vereador Dauro Machado e o prefeito Fernando Lúcio Donzeles. O vereador, que para surpresa de muitos alemparaibanos havia sido escolhido pelo seu antigo desafeto Fernando Lúcio, em setembro passado, para ser o líder do governo municipal de Além Paraíba, renunciou à função na tarde do dia 29 de janeiro.  Foi o próprio Dauro quem anunciou o fato através de postagem em uma rede social na Internet, afirmando que estava sendo incompatível para ele exercer a liderança do governo e, ao mesmo tempo, em seu programa de rádio, ser o porta-voz das críticas da população a esse mesmo governo: “Ser líder importa em concordar ou silenciar com tudo que ocorre na Administração Pública”— disse ele, afirmando que não abre mão de fazer suas críticas e de “defender os interesses da população”. Segundo o vereador e radialista, “algumas pessoas ligadas ao governo” vinham fazendo pressão para que ele amenizasse o tom em seu programa radiofônico, quando o assunto fosse a Administração da qual ele era o líder parlamentar na Câmara Municipal.
“Aos 47 anos, não cedo a pressões”— afirmou Dauro.
O vereador, em seu programa de rádio, tem feito carga pesada contra o Secretário Municipal de Saúde Hudson Freitas, o “Bedeu”, que vem sendo rotineiramente bombardeado. No último dia 4 de março, uma ouvinte ligou para o programa fazendo uma denúncia de que fora levar seu esposo para Muriaé e funcionários da Secretaria lhe informaram que a guia de Tratamento Fora de Domicílio seguiria junto a outros documentos com o motorista da ambulância. Ao chegar em Muriaé, a TFD não se encontrava com o funcionário da saúde, dificultando o atendimento ao paciente, portador de problema sugestivo de câncer de próstata. Dauro não perdoou o erro e esbravejou, inclusive postando a sua fúria usando até mesmo palavras de baixo calão em sua página no Facebook: “
A Secretaria Municipal de Saúde é UMA ZONA, PARECE UMA CASA DE MÃE JOANA, DE QUENGA, PARECE CIRCO MAMBEMBE. É uma ESCULHAMBAÇÃO. O Senhor Secretário de Saúde É UM INCOMPETENTE, FRIO, FALTA-LHE HUMANIDADE E RESPEITO COM O CIDADÃO QUE PAGA SEU GORDO SALÁRIO DE 6.000 REAIS POR MÊS.Ninguém aguenta mais tanta incompetência. TÁ UMA ZONA! E não adianta me ameaçar, ir reclamar com o Prefeito de minhas falas. TRABALHEM DIREITO CORJA.
Dauro disse que já convocou o Secretário de Saúde para ir à Câmara Municipal no próximo dia 16 de março, para explicar inúmeras denúncias contra a Secretaria, entre elas, a de que teria havido uma festa no interior da repartição pública, regada a bebida alcoólica, onde um computador teria sido quebrado durante uma “suruba” com sexo grupal: “
QUERO FALAR TAMBÉM DA FESTINHA QUE ACONTECEU LÁ ONDE UM COMPUTADOR FOI QUEBRADO DEPOIS DE UMA BANDALHEIRA A TRÊS SEGUNDO CONSTA”— postou o vereador no Facebook, reafirmando o que já havia comentado em seu blog “Madame Víbora”. Ele terminou sua postagem alertando que ninguém poderá processá-lo por suas palavras, já que ele tem “imunidade parlamentar”: “AO CONTRÁRIO DOS INCOMPETENTES QUE TÊM EMPREGO, eu tenho esse direito, porque tenho MANDATO que o generoso e desrespeitado povo de Além Paraíba me deu”. E finalizou sua manifestação pública na Internet, disparando mais um palavrão contra a Saúde Municipal: “SECRETARIA DE MERDA.”

O JORNAL AGORA tentou sem sucesso falar com o Secretário Hudson Freitas, “o bedeu”, para que ele se pronunciasse sobre o assunto. Vários contatos foram feitos, através do telefone da SMS e também através da assessoria de comunicação, porém não nos foi dado qualquer retorno.

 
Pagina 15 de 15